‘Cenário pós-guerra’, Jardim Romano teme novas chuvas

por Vander Ramos, Leonardo Brito e Valéria Vieira
Mural

 Os índices pluviométricos devem aumentar no período de outubro a abril de 2011, segundo informações da Prefeitura de São Paulo. É o período das chuvas, que no ano passado pegou a Prefeitura e os moradores da região do Jardim Romano despreparados.

A região é um dos 17 bairros do conhecido Jardim Pantanal. A reportagem do Mural esteve no bairro no último sábado (09/10) e sentiu que o clima é muito parecido com uma zona de “pós-guerra”.

Partes do Jardim Romano parecem um cenário de pós-guerra

Destruição e construção se confudem no cenário cinzento e do futuro incerto estampado nos rostos dos moradores que ali permanecem.

A maioria das ruas está com o asfalto quebrado e muitos buracos provocados pelos pesados caminhões que levam terra e trazem pedras para as margens do rio Tietê.

É o caso da avenida Tomás Lopes de Camargo, onde se localiza a Paróquia Nossa Senhora Aparecida. Segundo moradores, o trânsito de caminhões e máquinas acontece durante o dia e à noite.

“Eles trabalham durante toda a noite e fazem muito barulho…”, diz uma moradora que aprova os trabalhos que vem sendo feito na região apesar do incômodo.

O vai e vem dos caminhões e máquinas é devido a construção de um dique de 1.700 metros lineares que servirá de retenção das águas do rio Tietê.

Além do dique, um piscinão foi construído ao lado do CEU Três Pontes com a finalidade de amarzenar a água da região, após bombas jogarão a água no rio Tietê.

Temendo novas chuvas, moradores construíram barreiras de cimento

No final de setembro o prefeito Gilberto Kassab afirmou que as obras devem ficar prontas até novembro deste ano.

Os moradores estão receosos em saber se as obras de contenção do rio Tietê irá evitar os alagamentos da região.

Alguns não acreditam na proposta do governo e já construíram, por conta própria, comportas com todo tipo de material, terra, cimento, ferro, latão, pneus e tijolos em frente de seus lares.

No condomínio “Terras Paulistas”, construído pela Caixa Econômica Federal (CEF), o cenário é de baixa estima dos moradores.

Muitos andam de cabeça baixa procurando uma maneira de dar um futuro melhor aos seus filhos.

O sonho dos moradores dos apartamentos térreos foi atingido pelo alagamento. Em algumas unidades a água atingiu o nivel das janelas e até o momento as marcas da lama não foram retiradas.

“Uma lembrança que ninguém consegue esquecer…” diz a moradora Ana. A CEF desalojou os moradores destas unidades, colocando-os em apartamentos vagos de outros pisos. Passados seis meses os moradores dos apartamentos voltaram a seus antigos lares no piso térreo.

Alguns, descrentes da funcionalidade do dique e do piscinão criados pelo governo estadual, construíram comportas de cimento na entrada dos apartamentos.

O condomínio ainda busca a recuperação do sistema de interfones, dos portões, das unidades térreas e da área comum do empreendimento.

Segundo nota da administradora do empreendimento, o prazo de recuperação dos interfones é de 30 dias. Mas os trabalhos de conclusão das obras que afetam os apartamentos térreos e as áreas comuns podem chegar a quatro meses.

About these ads
Esse post foi publicado em Anúncios. Bookmark o link permanente.

4 respostas para ‘Cenário pós-guerra’, Jardim Romano teme novas chuvas

  1. A matéria ficou show! Parabéns galera!

  2. Pingback: Tweets that mention ‘Cenário pós-guerra’, Jardim Romano teme novas chuvas | Mural -- Topsy.com

  3. Luana Pequeno disse:

    Excelente iniciativa de chamar à atenção da população e do governo para essa situação de calamidade. O Jardim Romano esteve por tanto tempo nas manchetes dos jornais e agora permanece esquecido, como se depois da estiagem o problema tivesse sido resolvido. Foram só as chuvas diminuíram para as pessoas e as autoridades esquecerem da região. Por mais que obras estejam sendo feitas, são medidas paliativas, que como mostram bem a reportagem, não tranquilizam os moradores.

  4. João Paulo disse:

    Muito boa a matéria, parabéns a vocês pela iniciativa de utilizar dos meios de comunicação para protestar contra esse descaso com algumas regiões afetadas por esse problema que toma conta de São Paulo todos os anos.

    Grande Abraço!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s